terça-feira, 28 de julho de 2009

Cartas sem endereço

Querido,

1 - E se eu, tão miseravelmente triste, esse ser confuso e inconstante, tola, completamente insegura, e se eu também precisasse de uma rede para me proteger da queda? Você estaria lá?

2 - Enquanto penso, mil imagens vêm à minha cabeça, e, devo admitir: sinto medo delas. E se eu estiver me entregando ao vazio?

3 - Apesar de parecer pessimista, sou alegre e consigo ver beleza em qualquer coisa: eu poderia ser tantas coisas que às vezes até (me) assusto um pouco.

4 - Ontem, apesar da chuva, me deitei no jardim e, ao sentir o teu cheiro na grama molhada, acabei por derramar algumas lágrimas que se confundiram com as gotas de chuva, e ninguém viu.

5 - Eu sei que sonho demais, mas, afinal, sonhar é meu maior alento!

6 - Afinal, eu me pergunto se você - mesmo que somente às vezes - pensa em mim.

Um comentário:

gato preto disse...

Que lindo!

Tantas coisas a gente quer pergunta nessas horas.
Às vezes é melhor nem (se) perguntar nada.
Deixar, deixar...
Assim assim, solto solto!
Um beijo grande,
Te amo!