domingo, 21 de novembro de 2010

No futuro, vocês vão (in) ver no
âmago do dia, cinza,
floricultura fechada
fachadas desbotadas
parábola triste de fim de dia.

No futuro, encontrarão a primeira
voraz vera
cujas flores enfeitarão a calçada
e os fragmentos do passado.
Na verdade, verão o retorno veríssimo
da vida.


Verão: no futuro, vocês verão
Ver de verde o veraneio
do sol a verter seus raios
sob todos os ângulos, virtuais ou não.

No futuro, um out(r)o-ano
cheio de folhas já escritas
com poemas já declamados
jogados no chão,
o chão de outono que é a
passarela do esquecimento.

2 comentários:

Película Protetora disse...

eu prefiro o layout de bichinho.

Gilberto Araujo disse...

Que bela surpresa Munhoz...
adoro jogo de palavras... camadas superpostas de intenções e sentidos rodopiam em nossa mente diante de poemas assim...

ficarei para mais uma xícara de café.